Congresso Paranaense de Biomedicina, I Congresso de Biomedicina Estética do Paraná, I Simpósio de Ciências Forenses e Laboratoriais, I Encontro das Mulheres Biomédicas

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

AVALIAÇAO TOXICOLOGICA DE EFLUENTE INDUSTRIAL EM DUAS ETAPAS DO TRATAMENTO UTILIZANDO SEMENTES DE ALFACE

Palavras-Chave

Alface, Ambiente, Contaminação, Efluente, Toxicidade.

Fundamentação/Introdução

A contaminação do ambiente vem crescendo e a mesma pode ocorrer por substâncias tóxicas químicas que podem estar contidas em algumas espécies de planta como a Lactula sativa, comumente chamada de alface. A preocupação está relacionada em determinar a fonte poluidora e os potenciais danos que causarão ao meio ambiente, por meio da semeadura de sementes de alface. A avaliação da toxicidade aguda nessas sementes, busca essa determinação, identificando a presença de compostos químicos tóxicos que podem afetar o desenvolvimento normal das plantas.

Objetivos

O objetivo deste trabalho foi realizar uma avaliação preliminar da toxicidade de efluente de indústria metalúrgica utilizando um bioensaio de toxicidade aguda com sementes de alface.

Delineamento e Métodos

Amostras do efluente bruto (EB) e tratado (ET) foram coletadas e submetidas as diluições de 100% (D1), 50% (D2), 25% (D3) e 12,5% (D4), utilizando água deionizada como diluente. Controle positivo, somente com água deionizada também estabelecido. Os efluentes das diferentes diluições foram adicionados em Placas de Petri contendo papel filtro, onde posteriormente dez sementes de alface foram acondicionadas de forma aleatória. As placas foram randomizadas em estufa de crescimento biológico onde foram mantidas a 22ºC. Após sete dias foram avaliados o tamanho da radícula e a taxa de germinação (%).

Resultados

Os dados foram analisados pela variância (ANOVA) seguido do teste de Fisher (5% de significância). Os resultados também foram comparados com o tratamento controle positivo pelo Teste de Dunnet. O tamanho da radícula variou entre 0,94 cm (D1) a 1,25 cm (D3 e D4) para efluente bruto e entre 0,71 cm (D1) a 1,23 cm (D4). A maior taxa de germinação foi 100% enquanto a menor foi 50%. Não foi observada diferença significativa entre as diferentes diluições nos dois tipos de efluentes para as variáveis analisadas. Comparando os efluentes na mesma diluição, na diluição D3, foi observada maior taxa de germinação e maior tamanho da radícula, quando as sementes foram crescidas com efluente bruto. Sementes crescidas nas diluições D3 e D4 do efluente bruto e D2 do efluente tratado apresentaram maior radícula, comparativamente ao tratamento controle onde somente água deionizada foi adicionada.

Conclusões/Considerações finais

Com os resultados pode-se afirmar que as duas amostras industriais coletadas mostraram ter um potencial de toxicidade baixo, visto que as sementes de alface mostraram um tamanho expressivo e a maioria delas germinaram.

Área

Tema livre

Autores

PAMELA LUIZA PEREIRA , AMANDA JAÍNE MAAHS, GABRIELA KOZUCHOSVSKI FERREIRA , CHAIANE SCHOEN