Congresso Paranaense de Biomedicina, I Congresso de Biomedicina Estética do Paraná, I Simpósio de Ciências Forenses e Laboratoriais, I Encontro das Mulheres Biomédicas

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

TECNICAS EXPERIMENTAIS PARA MELHORAR COMPATIBILIDADE DE TRANSPLANTES AUTOLOGOS E ALOGENICOS EM TERAPIA CELULAR

Palavras-Chave

transplante; células-tronco; terapia celular; compatibilidade; HLA; edição genética.

Fundamentação/Introdução

o transplante autólogo de células-tronco (CT), atualmente, é comum em diversos países, mas apresenta dificuldades, dentre elas, a baixa segurança relacionada à ativação de oncogenes e a baixa eficácia a longo prazo. Os transplantes alogênicos podem ser mais seguros, mas possuem baixa compatibilidade, por isso, há diversas pesquisas tentando solucionar esse problema, visando produzir CT compatíveis com grande parcela da população. As CT possuem alta capacidade de renovação e proliferação, com divisão assimétrica, resultando em uma célula idêntica à mãe e outra com marcadores específicos para diferenciação

Objetivos

verificar quais são as técnicas mais recentes que visam melhorar o uso clínico de CT na terapia celular, discutindo sobre sua utilidade, benefícios e riscos

Delineamento e Métodos

esta é uma pesquisa bibliográfica/qualitativa, que apresenta um panorama geral sobre o tema abordado, trazendo informações de maneira concisa e clara. Foram utilizados 12 artigos, sendo 7 relacionados a pesquisas experimentais com CT, 4 artigos de revisão sobre CT, terapia celular e medicina regenerativa e 1 artigo sobre revisão integrativa. Os artigos são datados de 2010 a 2019, sendo que os artigos utilizados para discussão são datados de 2017 a 2019. Foram utilizados, também, 3 livros como base para a revisão de literatura

Resultados

das 7 pesquisas analisadas, 6 trazem como base para melhora da compatibilidade a edição genética, sendo que 2 delas visam a retirada de genes que possam codificar para doenças; 1 delas traz a possibilidade da mescla de genes de divisão celular e apoptose; 4 delas apontam a edição do MHC e HLA; 1 tem foco em transplantes autólogos e 6 em alogênicos; 4 discutem a imunogenicidade dos enxertos e 1 usa uma abordagem histológica e a preparação prévia do paciente para receber o enxerto.

Conclusões/Considerações finais

apesar das tentativas dos autores em identificar métodos e técnicas que possam diminuir os problemas relacionados à terapia celular, em todas as estratégias analisadas, o risco de formação de tumores ainda é muito alto para a aplicação clínica satisfatória do transplante de CT. No entanto, através da junção de diferentes estratégias, é possível obter resultados satisfatórios. As técnicas estão em um nível avançado, onde somente através de testes clínicos poderemos conhecer futuros problemas que tais experimentos podem trazer para avalia-los e encontrar novas soluções.

Área

Tema livre

Instituições

Faculdades Pequeno Príncipe - Parana - Brasil

Autores

ANDRÉ LUIZ ALCÂNTARA REIS